segunda-feira, 10 de setembro de 2012

Enquanto eu me importar, não se preocupe

Tem gente que não se importa.
Não se importa com gente, não se importa com bicho, não se importa com o que não grita, não se importa em parar, nem em continuar.
Tem gente que não se importa com a solidão, tem gente que não se importa com a companhia.
Pessoas assim...mais desligadas mesmo.
Às vezes não por frieza, às vezes não por maldade, talvez praticidade, talvez medo, talvez cansaço, talvez dor.

Não se importar é uma arma muito forte, doi na gente mais que o tapa, mais que o berro, mais que a verdade.
A indiferença corta tão fundo que a gente nem consegue consertar, ficam assim por sangrar dias a fio, até que a gente se esqueça um pouco. Mas ao primeiro sinal da lembrança, tudo dói de novo.

Eu não me importo com muita coisa e com algumas pessoas.
Umas são escolhas, outras defesa e outras ataque.
Tem hora que a gente não tem escolha, sabe? Se protege não se importando.

Eu aprendi a não me importar com muita coisa...é muita informação, muito sentimento pra administrar...não dá!
Não dá pra valorizar todas as opiniões, não dá pra querer curar todas as dores, não dá pra ser presença em todos os vazios, não dá para ouvir todos os choros, nem alegrar-se com todos os sorrisos...não dá.

De tudo, uma coisa me importa além do que eu esperava: ser o seu amor. E isso não tem nada a ver com o que eu posso te oferecer, ou com a pessoa boa que sou para você, ou com meus atributos pessoais, ou com meu sorriso, ou com a minha pele, ou com minha sinceridade. Não. Eu não acho que seja isso o amor. Na verdade, fico com pena de reduzí-lo a uma simples sintonia, há uma harmonia. Demorei pra concordar com um professor, mas ele estava certo: nada há de bom na harmonia. É preciso calor, fala forte, desafio, mudança, desejo, imcompletude, sonhos...vida! E nada disso tem a ver com meu sorriso bonito.

Por isso, quando digo que me importo em ser seu amor, não se preocupe com cobranças, não é isso. Não vou enumerar motivos para ficramos juntos, tampouco te lembrar os bons momentos. Eu me importo porque na verdade, você, assim como eu e todos os outros, merece e precisa estar e chamar de amor, aquele que É seu amor, que você sente do fundo do seu coração, que não precisa de lembrança porque nunca foi esquecido, que não precisa de resposta porque não há nenhuma dúvida...

Veja bem, não acredito em contos de fadas, nem em amor a primeira vista e não é disso que trato aqui.
Digo, ao contrário, que o amor é muito mais "a se realizar" do que "pronto", "mágico". Mas também digo, que ele é claramente perceptível, sentido. Não acho que há ser esperto o suficiente no mundo para enganar o amor, para fingir o amor, para fugir do amor... E por isso, não vale a pena, não é nada inteligente querer criar um amor, ele existe por si só e acontece, sem precisar da nossa permissão.

A vida é muito curta e meu espírito pratico demais para aceitar que vamos ficar mais um mês, mais um natal, mais um ano, mais um dia 12... na esperança de sermos nossos Amores. Amor não requer esperança. Não requer nada para ser. Talvez precise de umas poucas coisas para permanecer. E só.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postar um comentário